Notícia

Coltec estuda Stephen Covey

29/04/2009


 

Dia 20 de abril, o corpo docente do Colégio Técnico de União da Vitória (Coltec) reuniu-se para estudar minuciosamente a obra de Stephen Covey, Os 7 Hábitos das Pessoas Eficazes.
Foi uma ocasião de revisão dos conceitos fundamentais ao ensino moderno, que visa à formação de cidadãos maduros e produtivos.
Covey, após muitos anos de estudos e observações oferece ao leitor atento uma fonte de reflexão sobre a formação da criança e do adolescente para sua própria realização pessoal bem como o trabalho e vida em sociedade.
Para sair da dependência natural da criança e ir, gradualmente, chegando à independência o autor propõe os hábitos da proatividade (desde a 1ª infância); ter objetivos em mente; e ter prioridades a resolver.
Tudo isso levaria à vitória particular.
A partir da independência, viriam os hábitos de pensar um relacionamento bom para os dois interlocutores: ganha/ganha; compreender, para depois ser compreendido (com foco na escuta empática) e, com isso, a criação de uma sinergia, nos trabalhos de equipe. Esse seria o caminho da independência à interdependência, que é o comportamento desejado para a pessoa madura. Essa seria a vitória pública.
É interessante perceber que o conceito de hábito para Covey não é o de um automatismo, mas o resultado da interação entre conhecimento, habilidade e desejo. “O conhecimento é o que fazer e o porquê. A habilidade é o como fazer. E o desejo é a motivação, o querer fazer.” E cada fase é importante, leva tempo para adquirir o hábito e não pode ser substituída, para cortar caminho.
O 7º hábito é cuidar do corpo e da mente, cuidar de si mesmo; renovar os anteriores, tornando a pessoa, de fato, independente e capaz de interdependência efetiva.
Stephen Coveu tem esperança na possibilidade de mudança a qualquer tempo, com paciência, boa vontade e perseverança. “Você pode trocar os antigos padrões autodestrutivos por padrões novos, por hábitos inéditos, de eficácia comprovada, pela felicidade e por relacionamentos baseados em confiança mútua.” E completa: “Não há investimento maior” que no seu próprio aperfeiçoamento.
Essa obra já tem inspirado escolas norte-americanas a trabalhar os hábitos, incentivando as crianças a participarem ativamente, na família e na escola, colaborando com seu próprio desenvolvimento. Também tem sido estudada nas empresas, com seus colaboradores, visando à realização pessoal de cada um, a um relacionamento sem desgastes, e à melhor produtividade.
Haverá outra oportunidade em que os professores novamente se reunirão para propor uma possível aplicação desses critérios ao seu trabalho diário, ou algum projeto que os coloque em prática.
Na verdade, Covey sistematizou muito do que sabemos por outras fontes, da psicologia, da religião, da filosofia. É uma excelente obra.

*Mestre em Lingüística Aplicada, membro da Academia de Letras do Vale do Iguaçu (Alvi), professora de Língua e Literatura nos cursos  de Secretariado Executivo e Comunicação Social, e presidente do Conselho Editorial da Uniuv.


por: UNIUV